Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

o blog da outra

o blog da outra

06.Jul.17

Todos os animais são iguais...

...Mas há uns mais iguais que outros.

Já não sei onde ouvi esta frase e sempre lhe achei graça. Tem em si muito de verdade.

Fazendo um paralelismo com a suposta igualdade entre mulheres e homens, e em particular com a igualdade entre mim e o meu companheiro (que não é marido mas também já não consigo chamar de namorado) e de algumas das minhas amigas.

Antes de sermos pais sempre tivemos o hábito (que agora já não sei se era assim tão bom) de cada um ter os seus programas com os respetivos amigos/amigas e outros programas que fazíamos juntos (uns também com amigos comuns).

Acontece que, quer queiramos quer não, a disponibilidade que temos quando temos filhos é diferente da que tínhamos antes. E é óbvio que há fases em que conseguimos ir às coisas juntos e levar o miúdo, não temos de ficar fechados numa redoma de vidro.

Mas há outras fases em que não o conseguimos fazer e temos mesmo de ficar em casa (ora porque o miúdo está doente, ora porque o sítio para onde supostamente iríamos não é apropriado para ele, ou porque simplesmente em certas idades é mais fácil não os levarmos e ficamos melhor com eles em casa).

Não há mal nenhm em nenhuma das opções. Nem mal nenhum em que cada um dos pais possa, de qvez em quando sair com os seus amigos. Muito pelo contrário, acho que é importante e saudável continuar a a fazer isto.

O caso só se torna complicado quando um dos pais assume que tem de continuar a ter a vida que tinha antes de ter a criança, e que por isso não pode perder uma oportunidade e tem que fazer todos os programas que entender, enquanto o outro fica em casa essas vezes todas com o miúdo e não tem quase nenhuma oportunidade de poder também (porque precisa como o outro) sair e fazer qualquer coisa com os amigos (ou até sozinho).

Há ainda muita desigualdade nesta matéria. Alguns homens têm a ideia de que têm "mais direito" a ter tempo para si próprios do que as mulheres, é como se o normal fosse eles sairem sempre e elas ficarem com os filhos sempre. Sei que há muito disto por aí.

Mesmo que até possa ser um gajo que cuida dos filhos e faz de tudo em casa. Há um machismo dissimulado nestas atitudes que me consome e que vou guerreando sempre que me aparece.

É que nisto da parentalidade, para mim, o pai e a mãe são iguais em deveres e direitos. E têm de manter a sua individualidade além desse papel. Quando um acha que "merece" mais que o outro (o que faz ao ignorar as necessidades do outro a nem sequer olhar para elas) vai haver um desequilíbrio e mais peso para um dos lados. Isto também é, infelizmente, maternidade real.

 

 

3 comentários

Comentar post