Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o blog da outra

o blog da outra

Qua | 25.07.18

As coisas que uma grávida tem de ouvir...

Outra

Grávidas dessa blogosfera... não se sintam sós, incompreendidas...Recuperando, resumindo e compilando as coisas mais "giras" que ouvi durante a gravidez:

Enjoos:

"Então e estás a passar bem? enjoas?"

Respondo: sim, não tenho enjoos.

Respondem-me: "Ah não? Mas olha que ainda vais enjoar, vais ver."

Depois dos 4 meses, e porque continuei sem enjoos:

"Ah olha que ainda vais passar mal, muitas só ficam enjoadas depois dos 4 meses."

 

Sobre o sexo do bebé:

(Porque me apetecia comer laranjas)

"Se tens desejo de laranjas é porque vais ter uma menina. Quem come laranjas, é porque é menina!"

(por causa das borbulhas)

"Ah! essas borbulhas querem dizer que vem aí um rapaz. Os rapazes fazem isso!"

"Hummm...com a pele assim é porque vai ser menina, as meninas "sujam" a pele à mãe."

"Borbulhas?! Ah vai ser uma rapariga. Eu cá tive rapazes e a minha pele ficou impecável!"

(dores de costas)

 "Se te doi as costas é porque é macho!"

"Então agora sim dou os parabéns. Muitos parabéns! Meninos é que é!!!!"

 

A Barriga:

(com 4 meses não se notava)

"Então mas ainda não se nota nada a barriga?! Isso nunca mais cresce. Mas olha tem cuidado para não engordares muito para não ficares redonda. "

 

A  roupa:

"Ah não te importas de vestir preto?

Dizem que as grávidas não devem vestir roupa preta.Dizem que faz muita sombra ao bebé."

 

E no fim da gravidez:

 "Está quase?"

"Já tens tudo pronto?"

"Agora é um instante!"

"Ah, agora a barriga está grande!"

"Estás a queimar os últimos cartuchos?!"

"Aproveita bem agora, que depois ficas barricada!"

 

 

Ter | 24.07.18

Sem laços ou fitas

Outra

Eu sei que ninguém me pediu opinião, nem conselhos, nem nada que se pareça. Não sou entendida nas questões da maternidade, mas posso dar a minha perspetiva sobre a coisa.

Aviso já que não sou daquelas mães cheias de mimimis e que acha a maternidade a melhor coisa do mundo, até pelo contrário mas guess what? é a minha forma de ver e sentir as coisas. Não a imponho a ninguém, mas também não admito que me venham impor as suas visões.

Assim esclarecidos e porque a nossa MJ está à espera de bebé, fez-me lembrar com os seus relatos algumas das coisas que passei e que transformam a gravidez num estado de (des)graça... 

1- A descoberta - Apesar de ter sido uma gravidez planeada achei que não ia ser assim tão simples...Mas eis que fiquei doente e que tive de tomar antibióticos, e que mesmo com eles não fiquei melhor. Tive uma mega otite (coisa que nunca tinha tido na vida). Fiquei surda mesmo. Com o insucesso do antibiótico passei a um tratamento de choque: injecções. Como notei de imediato o atraso mas pensei que fosse da medicação, esperei pelo fim do tratamento para comprar o teste. Lembro-me de estarem 18 senhas na farmácia antes da minha. Comprei o teste, fui para cas ae fiz logo. Oito da noite. Positivo. OMG O que é que eu faço agora? Chorar, pois claro. Acho que era medo, queria, mas ao mesmo tempo já não queria. E agora? Vai ter de sair! O que é que eu faço agora?

2- A gravidez - O meu primeiro sintoma foi ficar com um fardo de perdigueiro. Tudo me cheirava muito...os bons e os maus cheiros. Fiquei com montes de borbulhas pequenas no decote (muitas mesmo) todas as que não tive na adolescência.

Fiquei com o cabelo maravilhoso, e as unhas. Tudo a crescer...bem demais, tanto que fiquei com uma espécie de penugem na cara (se crescesse mais pareceriam patilhas) e na barriga. Os pelos incomodavam-me tanto que depilava a barriga com cera...

A minha unha encravada piorou e andei a fazer tratamentos num podologista louco, que não adiantaram de nada, tive de operar deposi de o miúdo nascer...

Para contrabalançar não tive enjoos. Nenhum que fosse. Não fiquei inchada. So tinha barriga. Até me senti bonita.

Nunca ouvi tanta barbaridade junta como nesta altura. Sobre o sexo do bebé, sobre a azia, sobre o formato da barriga, sobre não usar roupa preta...enfim...a loucura.

 

To be continued...

Qui | 05.07.18

Completando frases

Outra

Pedi descaradamente à Joana para me nomear para este desafio. O blog anda morto, eu quero ressuscitá-lo, preciso de motivação para recomeçar...Achei que esta era uma boa forma.

  Sou muito...boa ouvinte. É, se calhar uma das minhas maiores virtudes. Gosto de ouvir. Sou capaz de ficar horas a ouvir alguém falar, desabafar, mesmo que não esperem um conselho. Ouvir, estar disponível.

 

Não suporto...gente cínica. que tanto me conhece quando convém, como finge que não me vê quando convém. gente que fica em cima do muro, que não mostra a sua opinião, que quer agradar a Deus e ao Diabo. gente sem caráter. gente preguiçosa. gente que se vitimiza. (já se viu que tenho um problema com gente, não é ?)

 

Eu nunca....viajei para fora da Europa. Aliás viajei pouquíssimo...viver numa ilha não ajuda muito, sair daqui está a ficar cada vez mais caro.

 

Eu já...assisti a duas autópsias. E gostei. (não me achem já doente tá?) Achei super curioso o tamanho dos órgãos e a forma como o nosso corpo, uma verdadeira máquina, está organizado.  

 

Quando era criança...Era sempre o "trambolho". Por ser mais gorda que os outros era sempre a última nas brincadeiras mais fisicas. Fosse a correr, subir árvores (nunca conseguia sequer subir), ir por caminhos mais difíceis, trepar ... E não era muito melhor nas aulas de educação física !

 

Neste exato momento...Estou a tentar escrever o resto deste post...que foi escrito em 3 fases...

 

Eu morro de medo...de ficar "louca", com uma doença psiquiátrica que não me deixe saber quem sou e o que fui e incapaz de fazer as coisas mais básicas.Este medo ganhou proporções gigantescas quando fui mãe.  

 

Eu sempre gostei...de comer. Desde pequena. Diz a minha mãe que nunca fui "reles" para comer. A idade trouxe-me uma intolerânica, estou mais seletiva mas continuo a gostar de comer. Quando não tenho apetite, tenham medo, é que estou mesmo mesmo doente!

 

Se eu pudesse...ensinava às pessoas (no geral) que importa ser e não ter. Que o caminho de uma humanidade melhor passa pela cooperação, pela simplicidade, pela verdade e pelo amor. (sou utópica não sou?)

 

Fico feliz...com tantas coisas simples. Um convitre inesperado para almoçar. Um café com uma amiga. O tempo a brincar com o meu filho. O pequeno almoço acompanhado de umas páginas de um livro. O fim do dia no sofá a conversar com ele. Momentos com a minha família. Os miúdos a brincar no quintal. O cheiro do verão, da terra molhada no outuno e o barulho da chuva... um milhão de coisas simples mas tão boas!

 

Se pudesse voltar no tempo...Nunca teria dado importância nenhuma à opinião dos outros. Na verdade,não voltaria porque gosto muito mais de quem sou hoje. E quem sou hoje é reflexo da minha aprendizagem ao longo do tempo.  

 

Adoro...o meu filho. Não há nada como o que sinto por ele. Nada.

 

Quero muito ir...à minha essência. Conhecer-me de verdade, aceitar-me  e gostar de mim com todas as minhas qualidades e defeitos.

 

Eu preciso...de férias. com alguma urgência. Estou tão cansada...

 

Não gosto de ir...a reuniões de condomínio. É o meu mais recente trauma. Este mundo está perdido, e um reflexo disto são as pessoas que andam por aí. Há sempre muita discussão, gente a falar alto e sempre alguém que não fala nas reuniões e vai para as redes sociais dizer o que não diz na frente dos outros.

 

Para responder ao desafio, vou nomear a Just, a Chic'Ana e a Alice Alfazema .Quem quiser juntar-se à festa é usar a tag completando frases.