Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o blog da outra

o blog da outra

Seg | 31.12.18

A maior lição de 2018

Outra

2018 não foi um ano fácil. Pelo contrário, foi um ano bastante complicado.

Dos objetivos que tracei no início do ano, muitos ficaram por cumprir. Outros nem tinham sido pensados e foram, mesmo assim, concretizados. 

Voltei a sentir a ansiedade como já não acontecia há muitos anos. Passei meses difícieis e tive de lutar um bom bocado parasentir-me melhor. Lá para o meio de 2018 é que consegui estabilizar...ainda tenho dias complicados...

Os meus maiores objetivos eram de desenvolvimento pessoal, ganhar consciência das coisas boas, mudar o chip, aprender a sentir-me grata pelo que tenho em vez de olhar para aquilo que (acho) me falta...Fazer tudo por ter paz interior e não esperar demasiado dos outros.

Apesar de todas as coisas negativas que a ansiedade me trouxe, também me fez perceber que tenho de ser melhor comigo mesma: mais tolerante, mais compreensiva, aprender a perdoar-me, não ser tão exigente, aceitar que tenho os meus limites e que de vez em quando não faz mal ficar cansada e "fraquejar". 

Se tivesse de escolher 3 palavras para definir o ano, seriam: Aprendizagem, resiliência, gratidão.

Seg | 10.12.18

Destralhe - O balanço - Dia 5 - O Fim

Outra

Então vamos lá ao último post do detrslhe.

Dia 5: a cozinha, a divisão que tem estado sempre cheia de tralha em cima dos balcões... Onde já não sei que estratégias usar para arrumar as coisas. Eu e que tinha coisas a mais...

1.Tirar tudo de dentro dos armários e colocar em cima das bancadas e da mesa e quando já não cabia mais nada, usar o chão da cozinha;

2. Limpar os armários ;

3. Selecionar o que não preciso/não uso/não funciona, entre as coisas que saíram estão: um liquidificador avariado (com os milhentos acessórios incluídos), garrafa e um copo térmico, frascos vazios, tuperwares que não usava (com tamanhos diversos), jarros e copos que tinha a mais, pratos e taças com falhas (parcialmente partidas),  um galheteiro novinho em folha, um conjunto para fondue (tinha 3...)...

Tudo o que estava em condições foi colocado numa caixa e foi doado. O que não estava bom foi para o lixo.

4.Arrumei tudo nos seus devidos lugares (algumas coisas aproveitei para mudar de sítio apenas porque me dava mais jeito assim).  Arrumei de acordo com a utilização que damos às coisas no dia-a-dia e a sua proximidade à mesa e à máquina de lavar loiça, que torna mais fácil o acesso na correria dos dias.

Depois da arrumação, a cozinha tem-se mantido até agora, nos eixos. Está tudo muito mais fácil de arrumar. Cada coisa tem o  seu lugar e temos é de ter o cuidado de colocar no sítio  logo depois de usar.

Resumidamente, a semana do destralhe faz-me tirar as seguintes concluões:

-Temos muito mais coisas do que aquelas que realmente precisamos, devemos selecionar e ver aquilo que gostamos e queremos mesmo manter.

-A nossa casa deve estar adaptada às nossas necessidades e gostos. Se eu não gosto de excesso de coisas, então devo adaptar o meu espaço a esse ideal: Retirar o que está a mais. Deixar mais espaço livre.

- Quando não damos utilidade às coisas ou temos muitos exemplares de uma dada coisa devemos manter apenas a quantidade que nos faz falta e dar o resto. Para quê manter 20 toalhas de banho, quando 6 ou 7 fazem bem a vez?

-Libertar espaço de coisas que não queremos/não gostamos dá uma sensação agradável de leveza, libertação, clareza mental até. É ótimo perceber que cada vez precisamos de menos para sermos felizes...É ser em vez de ter. E daqui só podem resultar coisas positivas.