Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o blog da outra

o blog da outra

24.09.18

É tudo uma questão de educação...

Outra
Cada um tem a sua personalidade, o seu método, a sua forma de fazer as coisas. Uns preferem trabalhar sob pressão, outros com tempo. Não interessa. Cada um é como cada qual, pois bem. Coisa completamente diferente é a atitude de cada indivíduo, trabalhador, para com o todo, a empresa. E isto, meus amigos é o que faz toda a diferença. Toda a diferença no dia-a-dia, na relação com os colegas, no contributo para o todo. Utopias, dirão muitos. Eu digo que não. Já vi, na (...)
19.09.18

Breves #29

Outra
Malta que não sabe trabalhar em equipa fixem isto: ninguém faz nada sozinho. Ninguém. Lembrem-se disto no dia em que podem precisar de alguém que vos limpe o cú... Isto a propósito de pessoas tão parvas no trabalho que arranjam todas as estratégias e mais algumas para não seguirem instruções e trabalharem, isso...em equipa!
11.09.18

Breves #29

Outra
Bonito, bonito é receber sem esperar. Duas pessoas no mesmo dia a oferecerem-se para me ajudar com a festa do miúdo. Tudo o que vai, volta. E quando dás sem querer em troca, um dia recebes sem esperar também.    
07.09.18

É tão mais fácil ser feliz...

Outra
Eu, que já fui um "Grou" mal disposto, que não sou de sorriso fácil e que tenho um ar sério (de má, como muitos me dizem) admito que estava enganada. Não é fácil viver de cara fechada e zangado com o mundo, mesmo que tenhamos muitas razões para nos sentir assim. Ainda agora cheguei ao trabalho e a propósito de um ritual que temos à sexta, fiz uma piada. Toda a gente desatou a rir. Toda a gente menos a rapariga que já fui, o "Gru" mal disposto que do canto me olhou como se eu (...)
24.07.17

A outra face da moeda

Outra
Partilhei aqui a minha satisfação por ter feito um trabalho longo, que me saiu do pêlo e que foi divulgado por toda a estrutura onde me encontro. Acontece que este trabalho podia ter sido feito com a colaboração dos outros profissionais que trabalham na mesma área ou até por eles sozinhos. Só que, o que aconteceu foi: na hora do esforço, ficou tudo a olhar para mim com ar de (...)
16.05.17

Do verbo mudar

Outra
As pessoas são muito engraçadas. Estão sempre insatisfeitas. Não gostam do trabalho, do chefe, as tarefas, da estrutura, da secretária ou da cadeira. São, por outro lado, quase sempre incapazes de se mexer para mudarem aquilo que não gostam, então é mais fácil ficar sentado a lamentar-se do trabalho, do chefe, das tarefas, da secretária, da cadeira... Se aparecer alguém que mexa na estrutura (que não gostam), no trabalho (que não gostam), no chefe (que não gostam) , na (...)
04.04.17

o pior de conhecer...é gente!

Outra
Sou uma parva. Inocente. Totó. Pata. A sério que sou. Quanto tempo mais demorarei eu perceber que as pessoas são manhosas, matreiras, cheias de truques e artimanhas só para se safarem e ficarem bem na fotografia? Mas quantas vezes virá a vida mostrar-me que não vale a pena confiar e ser transparente com toda a gente que encontro pelo caminho? Até quando eu me dignar a aprender, que (parece que) ainda não aprendi. Incomoda-me seriamente o que tenho encontrado neste mundo do (...)
22.03.17

Book Pals - A escolha

Outra
Vem atrasado este post. Mas mais vale tarde que nunca. (E ainda atrasou mais um bocado porque já estava todo escrito e o computador bloqueou...) Para a 2.ª edição do livro secreto escolhi o livro "Chama-lhe Amor". É pequeno em tamanho mas grande na mensagem. É uma edição especialíssima porque veio autografado pela autora. Espero que gostem tanto como eu. Intrigante. (...)
20.03.17

Breves #12

Outra
Quase todos os males do mundo podem ser curados com 1 horinha da companhia dos meus amigos. E os males que não podem ser curados, são "ridos", a fazer piada com tudo o que há. Aquela hora vale por dias de terapia!
07.03.17

A dona Mila, coitadinha

Outra
Coitadinha. A Dona Mila era a funcionária da residência universitária onde eu vivi durante parte da minha vida académica. Ela era uma senhora nos seus quarentas e muitos, sempre toda arranjada, de saia e de saltos, que usava mesmo para fazer a maior parte das tarefas (limpezas) que o seu trabalho implicava.  Ela até tinha os sapatos do trabalho. (Uns tamancos bordeaux que guardava num canto do quarto da roupa.) E carregava aquele ar tão sofredor... Coitadinha. Não era (...)